Ambiental

 

Instrumentalização dos operadores ambientais através dos fundamentos principiológicos do Direito Ambiental

Anselmo Jose Spadotto
 
 

Resumo: Este trabalho teve como objetivo interpretar fundamentos de direito ambiental para facilitar a instrumentalização dos operadores ambientais. Operadores ambientais são profissionais que atuam junto ao meio ambiente, direta ou indiretamente. Os princípios de direito ambiental podem ajudar na execução de funções ambientais. Para a realização desta pesquisa, adotou-se a abordagem qualitativa, classificada em relação aos objetivos como exploratória. Os princípios de direito ambiental, se corretamente interpretados, podem se constituir em um interessante meio de instrumentalização dos operadores ambientais.

Palavras-chave: lei, ambiente, empresas, princípio.

Abstract: This study aimed to interpret the principles of environmental law to facilitate the implementation of public policies. Environmental operators are professionals who work with the environment, directly or indirectly. The principles of environmental law are the foundations for many activities. For this research, we adopted a qualitative approach, in relation to objectives classified as exploratory. The principles of environmental law, if properly interpreted, can constitute an interesting means of instrumentalization of environmental operators.

Keywords: law, environment, companies, principle.

Sumário: 1. Fundamentos principiológicos no Direito, 2. A informação ambiental, 3. Acesso aos Recursos Naturais, 4. Sustentabilidade, 5. Conscientização e educação ambiental, 6. O dever e não poluir, 7. Prevenção e Precaução, 8. Participação nas decisões.

Introdução

Entender os fundamentos dos princípios do Direito Ambiental significa buscar razões práticas para a existência destes. Nesse diapasão, não há dúvidas de que instrumentalizar os operadores ambientais nos seus trabalhos é contextualizar os princípios de direito ambiental com as raízes de suas existências, visualizando práticas profissionais.

A operação ambiental tem se tornado uma das mais relevantes atividades relacionadas com as empresas públicas ou privadas, integrando sistemas organizacionais buscando controle de impactos ambientais conjuntamente com o cumprimento de leis e normas.

Operadores ambientais são profissionais que atuam direta ou indiretamente junto ao meio ambiente, quer modificando a estrutura ambiental ou interpretando a legislação pertinente.

As ações dos operadores ambientais no Brasil, assim como na maioria dos outros países, têm por base a aplicação de princípios de direito ambiental, princípios esses muitas vezes não muito bem entendidos por aqueles que lêem as normas publicadas. Muitas vezes, falta uma visão dos princípios de direito geradores das normas, para se ter uma posição jurídica e social mais clara da norma e da política pública a qual ela está vinculada.

Para a realização deste trabalho de pesquisa, adotou-se a abordagem qualitativa, classificada em relação aos objetivos como exploratória (RICHARDSON, 1985; GIL, 2002). Nesse sentido, classificou-se como exploratória, ou seja, foram realizados estudos preliminares do objetivo principal da pesquisa, quando familiarizou-se com o tema investigado (Gil, 2002). Seguiu-se uma pesquisa descritiva (Kestring et al., 2001; Severino, 2007).

Este trabalho teve como escopo analisar fundamentos principiológicos de direito ambiental, que são frequentemente empregados em operações ambientais no Brasil, buscando oferecer instrumentos para essa atividade. Pretendeu-se, também, colaborar na formação de uma visão mais adequada nessa área.

1. Fundamentos principiológicos no Direito

Os fundamentos principiológicos são diretrizes de um sistema jurídico que guiam à interpretação e aplicação das demais normas jurídicas, podendo ser considerados como princípios.

De um modo geral, os princípios ambientais estão expressos na Constituição Federal através de diferentes graus de eficácia e obedecem a uma hierarquia no sistema constitucional. Nesse diapasão, nenhuma norma está autorizada a violar os princípios constitucionais, que guardam relação de subordinação entre si.

Com a chegada da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, muito está sendo discutido sobre os rumos a serem tomados, mas, sem dúvidas, deve-se incluir nessa discussão os princípios de direito ambiental e sua eficácia em relação aos operadores ambientais.

2. A informação ambiental

Este fundamento também, se relaciona ao uso das tecnologias da informação, além do conhecimento nos processos internos de governo, visando aproximar governo e cidadãos.

O Princípio da Informação Ambiental faz parte do Principio da Participação (Fiorillo, 2010), mas, para Machado (2010), este princípio está apartado. Entende-se, aqui, este princípio como uma subdivisão do Principio da Participação, tendo-se em consideração a existência do Princípio da Educação Ambiental, já consagrado. De qualquer modo, a informação é prevista no art. 220 e 221 da Constituição Federal (1988). Na legislação ambiental encontra respaldo legal nos arts. 6º e 10 da Lei 6.938/1981.

Para Sirvinskas (2011) este princípio se estende e se mescla com outros princípios, como o Princípio da Publicidade:

A audiência pública tem como objetivo assegurar o cumprimento do princípio democrático. Essa audiência poderá ser marcada de ofício pelo próprio órgão público ambiental, se julgar necessário, a pedido do Ministério Público, por solicitação de entidade civil ou por requerimento subscrito por no mínimo cinqüenta interessados. Incumbe ao poder público convocar, mediante a publicação do edital do Diário Oficial ou em jornal de grande circulação, a população ou interessados para a audiência. É necessário que os interessados possam manifestar-se na audiência, apresentando suas críticas, sugestões, ou discutir outros pontos não analisados pela equipe técnica. Trata-se de uma audiência de natureza consultiva, não vinculando o órgão ambiental que irá decidir, ao final do procedimento administrativo.

Nesse sentido, continua esse autor:

Para que haja a participação dos legitimados, é necessário dar-se publicidade ao pedido do licenciamento. Essa publicidade é uma garantia constitucional previstas nos artigos 225, §1°, IV, e 5°, XXXIII, ambos da Constituição Federal e artigo 10, §1° da Lei 6.938/81. Tal publicidade será feita mediante a publicação do pedido de licenciamento no Diário Oficial e em jornal de grande circulação local ou regional, devendo observar os modelos contidos na Resolução n°. 06 de 24 de janeiro de 1986, do CONAMA, para a publicação do pedido de licença ou sua renovação.”

3. Acesso aos Recursos Naturais

Alguns princípios são derivados de outros, como é o caso do Princípio do Acesso Equitativo aos Recursos Naturais, que se refere ao fato de que os bens ambientais devem satisfazer as necessidades comuns de todos os habitantes da Terra. Logo, pode usá-los ou não, basta serem utilizáveis para pensar-se em um meio ambiente como de uso comum do povo. Há doutrinadores que incluem entre os Princípios do Direito Ambiental, o Princípio da Razoabilidade. Cabe a legislação ambiental juntamente com o Poder Executivo estabelecer as necessidades de uso dos recursos ambientais, em consonância com a razoabilidade de utilização.

Ecologicamente falando, é preciso conservar a vida dos animais e das plantas, para a manutenção da vida humana. Embora a Constituição Federal (1988) e as leis infraconstitucionais como a Lei 4771/1965 colocam o homem como principal beneficiário, haverá casos em que para se conservar a vida humana o meio ambiente é imediatamente prioritário em termos de proteção. Nesses termos, Machado (2010) esclarece que existem três formas de o homem usufruir e interferir nos bens ambientais, ou seja, no consumo, na poluição e na contemplação.

Pela legislação brasileira, a prioridade no uso dos bens ambientais, deve respeitar uma ordem hierárquica de proximidade dos usuários com relação aos bens, conforme o Princípio do Desenvolvimento Sustentável (regionalização). Assim, há que se respeitar a utilização dos bens pelos usuários que obedeçam à proximidade local, regional, nacional. Na prática, isso pouco tem sido realizado.

No caso da Lei nº 9.433/1997 - Política Nacional dos Recursos Hídricos - no inciso I do art. 2º observa-se a manifestação do Princípio do Acesso Eqüitativo aos Recursos Naturais:

“ (..) assegurar à atual e às futuras gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade adequados aos respectivos usos”.

Na mesma lei, o artigo 11 estabelece que:

 “O regime de outorga de direitos de uso de recursos hídricos tem como objetivos assegurar o controle quantitativo e qualitativo dos usos da água e o efetivo exercício dos direitos de acesso à água”.

Já a Lei nº 10.275/2001 - Estatuto da Cidade - é mais objetiva quando trata desse princípio no inciso IX do art. 2º:

“(..) justa distribuição dos benefícios e ônus decorrentes do processo de urbanização”é uma diretriz da política urbana, tendo em vista a ordenação do pleno desenvolvimento das funções sociais da propriedade urbana.”

Mas, a mais importante referência ao Princípio do Acesso Equitativo aos Recursos Naturais está no caput  do art. 225 do texto constitucional de 1988:

“(..) bem de uso comum do povo”, equidade essa que é considerada também no que diz respeito às gerações futuras

Este princípio está associado ao conceito de justiça ambiental, sendo que esta tem como fundamento o equilíbrio entre as necessidades das no presente e no futuro, assim como, lança olhares ao redor quando se aplica esse mesmo fundamento às demais espécies vivas. Nesse sentido, acrescenta-se, para efeito deste trabalho, que o substrato abiótico também deve ser considerado, pois é a extensão de todas as espécies vivas. Nesse diapasão, todos deveriam ter acesso eqüitativo aos recursos naturais, pela própria natureza jurídica da tutela desses bens.

Corrobora com o que foi apresentado acima Machado (2010) quando apresenta os bens que compõem o meio ambiente (fatores bióticos e abióticos) como meios para a vida de todos os seres humanos. Ainda, este autor destaca formas de distribuição eqüitativa dos bens ambientais, como por exemplo, o acesso ao consumo dos recursos naturais e o acesso para a contemplação da paisagem. Assim, fala-se em justiça ambiental.

Segundo Kiss (2005) a justiça ambiental é atemporal e inter-espécies vivas, com eqüitativa distribuição dos recursos naturais. Portanto, observa-se que a idéia de Machado (2010) se mescla com a de Kiss (2005), talvez, até, lançando bases para o autor do trabalho posterior. Infere-se, desses dois autores, que para que seja garantido o acesso eqüitativo aos recursos naturais a sociedade e os órgão públicos devem garantir que os bens ambientais sejam explorados de forma racional.

4. Sustentabilidade

Atualmente, o operador ambiental tem como meta explícita o desenvolvimento sustentável da empresa, pública ou privada, onde atua. Amplamente divulgado, inclusive na Rio+20, está consagrado no art. 225 da Constituição Federal, este princípio é considerado um dos mais abrangentes pela doutrina, porque envolve aspectos de outros princípios, como a Princípio da Educação Ambiental. Machado (2006) subdivide o caput desse artigo incluindo o Princípio do Direito à Sadia Qualidade de Vida. Observa-se o referido artigo:

“Todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações” (art. 225, caput, CF/88)

Segundo Fiorillo (2010) o Princípio do Desenvolvimento Sustentável (art. 225) quando afirma que “todos têm direito” ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, o legislador teve por objetivo não excluir ninguém, inferindo-se que o meio ambiente é um bem coletivo, estando na categoria dos direitos difusos. Nesses termos, entende-se como interesses difusos aqueles indivisíveis, cujos titulares são pessoas indeterminadas; como exemplo pode-se citar o direito à paz publica, à segurança pública, ao meio ambiente.

Na doutrina está pacificado o termo “meio ambiente ecologicamente equilibrado”, também do mencionado artigo. Entende-se, para isso, a harmonia entre meio ambiente natural, cultural, de trabalho e o homem, visto que a legislação ambiental e a Constituição Federal colocam o homem no topo das tutelas. A destruição ambiental compromete a possibilidade de uma existência digna também para a humanidade, pois não há como conceber o homem independente da natureza. O homem é parte da natureza e por isso dependente da mesma, logo o equilíbrio é mútuo. Porém, para se entender o Princípio do Desenvolvimento Sustentável é fundamental entender que o equilíbrio ecológico não significa uma inalterabilidade das condições naturais, mas uma harmonia dinâmica. Em relação ao termo “como bem essencial à sadia qualidade de vida” percebe-se que ele está embutido ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, portanto, a conservação do meio ambiente ecologicamente equilibrado acarreta uma sadia qualidade de vida.

Nos termos deste artigo, o Poder Público age como gestor do meio ambiente (“bem de uso comum do povo”), deslocando-se de uma atitude de proprietário de bens ambientais.

No modelo gerencial de administração pública vigente, ou seja, no modelo gerencial, a expressão “impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo” o Poder Público deve agir – segundo a Constituição Federal como fiscal e gestor, com o dever de agir. Assim, ao Poder Público esta defesa é obrigação e à sociedade civil, e também as organizações sociais, essa defesa, em geral, é facultativa, desde que essa ação não faça parte do seu estatuto (obrigação de fazer). A importância da conscientização da população acerca das questões ambientais é clara, e não somente no sentido de ficar consciente, mas de agir, a fim de que desempenhem seu papel de fiscalizador.

Mesclando com o Princípio da Precaução, o caput do artigo 225 da Constituição Federal (1988) refere-se as “presentes e futuras gerações”. Assim, é lançado um olhar na incerteza do futuro com a visão de que é preciso preservar, somando-se um conceito de economia que conserva o recurso sem esgotá-lo.

Sirvinskas (2011) esclarece:

“O princípio do desenvolvimento sustentável procura conciliar a proteção do meio ambiente com o desenvolvimento socioeconômico para a melhoria da qualidade de vida do homem. É a utilização racional dos recursos naturais não renováveis. Também conhecido como meio ambiente ecologicamente equilibrado ou eco-desenvolvimento.”

Cada vez mais se discute a aplicação do Princípio do Desenvolvimento Sustentável como limitação do poder econômico. Partícipe do vínculo estreito entre o homem e a natureza através do desenvolvimento sustentável, Machado (2010) aponta para o fato de que a própria saúde dos seres humanos depende da Natureza.

Pela visão acima pode-se entender que o desenvolvimento do país e do próprio planeta deveria ser sustentável, ligando o homem com a natureza ecologicamente equilibrada, propiciando ao homem – independentemente do tempo - uma sadia qualidade de vida.

5. Conscientização e educação ambiental

A Educação Ambiental, não como princípio, tem sido bastante divulgada em programas de governo e em atividades de gerenciamento ambiental. Educar, assim, significa efetivar o Princípio da Prevenção. O art 2º da Lei 6.938/1981 declara como princípio:

“a educação ambiental a todos os níveis de ensino, inclusive a educação da comunidade, objetivando capacitá-la para participação ativa na defesa do meio ambiente”.

Observa-se, assim, a clareza deste dispositivo legal que inclui a educação ambiental no ensino oficial. Em termos institucionais, privado ou público, infere-se da necessidade de se desenvolver a educação ambiental como parte das atividades governamentais ou do gerenciamento empresarial.

A educação ambiental deve tratar as questões globais críticas, suas causas e inter-relações em uma perspectiva sistêmica, em seu contexto social e histórico. Aspectos primordiais relacionados ao desenvolvimento e ao meio ambiente tais como população, saúde, paz, direitos humanos, democracia, fome, degradação da flora e da fauna devem ser abordados dessa maneira. (Retirado do Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global)

Antes da aplicação do Princípio da Educação Ambiental pelo operador ambiental, a educação ambiental deve ser entendida relacionando-se com questões globais ambientais, suas causas e inter-relações social e histórica. Por exemplo, historicamente, a devastação ambiental resulta do processo histórico para a existência humana, onde o homem modifica o meio ambiente obtendo matéria-prima, fato esse inevitável. Assim, de um lado a derrubada de árvores é, antes de tudo, um fato historio de sobrevivência da humanidade; outro lado, o exagero da derrubada pode representar uma ofensa ao Princípio da Educação Ambiental e um perigo para a sobrevivência humana.

A aplicação do Princípio da Educação Ambiental está dentro do cotidiano humano, quer nas empresas ou na vida de cada cidadão. Em 1972 foi realizada a Conferência de Estocolmo, que se constituiu em um marco aglutinador para a educação ambiental, ganhando esse tema uma conotação pedagógica e internacional. Da ECO-RIO 92, Conferência Internacional sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável realizada no Rio de Janeiro em 1992, da qual participaram 179 países, derivaram importantes documentos, dentre ele a Agenda 21. Esse documento enfatiza o papel da educação na promoção do desenvolvimento sustentável, esclarecendo que isso deve ser feito pela universalização da educação básica e a promoção da educação ambiental, que deveria ser ensinada já quando do ingresso das crianças nas escolas, integrando os conceitos de meio ambiente e desenvolvimento e dando especial ênfase à discussão dos problemas locais. Portanto, é oportuno dizer-se, aqui, que o Princípio da Educação Ambiental está intimamente ligado ao Princípio do Desenvolvimento Sustentável, que será visto mais adiante.

O operador ambiental se relaciona com o Princípio da Educação Ambiental de várias formas, como por exemplo, na formação dos funcionários de uma empresa, nas relações entre empresas, na formação da política ambiental das empresas, nas relações empresa e comunidade, dentre ouras. Assim, observa-se o caráter interdisciplinar do Princípio da Educação Ambiental e infere-se que o operador ambiental deveria apresentar esse perfil. Corroborando com essa observação, MUNHOZ (1991), ex-presidente do IBAMA, relatou:

“A educação ambiental deve ser tratada de forma interdisciplinar, integrando

o tema nos currículos de língua portuguesa, matemática, ciências naturais,

história, geografia, literatura, ciências sociais, políticas e econômicas

- contínua e permanente, através de atividades dentro e fora da escola

e em todos os níveis de ensino, e abrangente, buscando envolver os diversos

segmentos sociais na solução dos problemas ambientais da comunidade.”

Segundo Brito (2011), o Princípio da Educação Ambiental está intimamente relacionado com o Direito Internacional, chegando o texto constitucional brasileiro, no seu inciso VI, § 1°, do art. 225 declarar que incumbe ao Poder Público de promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente. Entretanto, deve-se destacar que o operador ambiental jamais deve omitir-se em empregar esse princípio nas suas atividades e vida diária, por se tratar isso também de imposição legal.

Segundo Fiorillo (2010) o Princípio da Educação Ambiental é derivado do Princípio da Participação, tratando apenas como Educação Ambiental. Assim expressa este autor:

“A educação ambiental decorre do princípio da participação na tutela do meio ambiente, e, como acima mencionado, restou expressamente prevista na Constituição Federal, no seu art. 225, § 1°, VI. Buscou trazer consciência ecológica ao povo, titular do direito ao meio ambiente, permitindo a efetivação do princípio da participação na salvaguarda desse direito.”

Este autor ainda destaca:

“Educar ambientalmente significa: a) reduzir os custos ambientais, à medida que a população atuará como guardiã do meio ambiente; b) efetivar o princípio da prevenção; c) fixar a idéia de consciência ecológica, que buscará sempre a utilização de tecnologias limpas; d) incentivar a realização do princípio da solidariedade, no exato sentido que perceberá que o meio ambiente é único, indivisível e de titulares indetermináveis, devendo ser justa e distributivamente acessível a todos; e) efetivar o princípio da participação, entre outras finalidades.”

Observa-se que, para os trabalhos do operador ambiental, objeto deste trabalho, os itens acima são relevantes e, em particular, o item “a” pela sua praticidade.

Sirvinskas (2011), já entende que o Princípio da Educação está contido dentro dos princípios gerais do direito ambiental, não o elencando como um dos princípios específicos do direito ambiental.

Assim, do que foi acima exposto, entende-se que o Princípio da Educação Ambiental já tem sido tratado como a relação entre o homem e o meio ambiente, e invoca um processo de conscientização ecológica que o operador ambiental pode (deve) levar para as suas atividades rotineiras.

6. O dever e não poluir

Este é um fundamento que o operador ambiental muitas vezes se depara dentro de uma empresa privada. Não se trata de pagar para poluir, mas de se poluir vir a pagar pelo princípio da responsabilidade objetiva. A Lei 6.938/1981 determina que o usuário do meio ambiente com fins econômicos deva pagar pela sua utilização, de modo que os custos não sejam suportados pelo Poder Público nem por desinteressados. Além disso, o Princípio do Poluidor Pagador distancia-se disso, obrigando o poluidor, pessoa física ou jurídica, a pagar pela poluição que já foi causada. Ressalta-se que o pagamento pelo poluidor não lhe confere direito a poluir nem tampouco o isentam de ter examinada e aferida sua responsabilidade objetiva.

Machado (2010) ensina que o princípio do poluidor-pagador se aplica em dois momentos, a saber: a) na fixação do preço ou tarifa e na exigência de investimentos na prevenção, como a utilização de tecnologias menos lesivas ao ambiente e ao homem, no intuito de eliminar, reduzir ou neutralizar os danos; b) na responsabilização residual ou integral do poluidor.

Já para Fiorillo (2010), esse princípio traz a seguinte conotação:

“Não traz como indicativo “pagar para poder poluir”, poluir mediante pagamento ou pagar para evitar a contaminação”. Não se podem buscar através dele formas de contornar a reparação do dano, estabelecendo-se uma liceidade para o ato poluidor, como se alguém pudesse afirmar: “poluo, mas pago”.

Sirvinskas (2011), em harmonia com Fiorillo (2010), esclarece que esse princípio tem como fundamento a Conferência do Rio/92, e que o poluidor deve arcar com o custo da poluição, bastando que para que isso ocorra a comprovação do dano ambiental, a autoria, o nexo causal, independentemente da existência de culpa.

7. Prevenção e Precaução

Como princípio, a prevenção relaciona-se com o EIA/RIMA (Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto do Meio Ambiente). Segundo Fiorillo (2010) a prevenção e a preservação ambiental devem ser concretizadas por meio de uma consciência ecológica a qual deve ser desenvolvida através de uma política de educação ambiental. Fazem parte desse princípio o estudo prévio (EP), o relatório de impacto ambiental (RIMA), as liminares da Justiça, dentre outras medidas preventivas. É importante destacar para o operador ambiental, assim como para o gestor, que o Principio da Prevenção faz parte da administração – pública ou privada -, por intermédio das licenças ambientais, sanções do poder de polícia e fiscalizações.

Este Princípio é de fundamental importância, pois o custo da prevenção é bem menor que o da reparação, e de que alguns danos serem irrecuperáveis. Juridicamente falando é este princípio que embasa as medidas liminares e cautelares.

O Princípio da Precaução não se trata de situações em que é possível fazer previsibilidade do perigo, não é possível documentar possíveis danos. Trata-se de, em se não tendo certeza científica, não se realiza determinado ato em relação ao meio ambiente. Aplica este princípio em casos em que ocorra dúvida por falta de provas, a respeito do nexo causal entre a atividade e um determinado fenômeno de poluição. Pode ocorrer de se dispensar a aplicação desse princípio após a verificação – certeza científica – de que não ocorrerá dano ambiental.

Alguns doutrinadores juntam o princípio de precaução com o da prevenção, enquanto outros separam como princípios distintos. Embora o texto constitucional trate da prevenção, não exclui a precaução, que, aliás, é tratada na Lei 11.105/2005.

Para Sirvinskas (2011), a prevenção é gênero das espécies precaução ou cautela, portanto, é o agir antecipado.

Fiorillo (2010) discute esses princípios indicando:

“Assim concluímos que no plano constitucional o art. 225 estabelece efetivamente o princípio da prevenção, sendo certo que o princípio da precaução, se é que pode ser observado no plano constitucional, estaria evidentemente colocado dentro do princípio constitucional da prevenção”.

Este trabalho se posiciona-se alinhada ao entendimento de Machado (2010) ao tratar os princípios da precaução e da prevenção como princípios distintos. Visualiza-se, para esta finalidade que são dois princípios diferentes, pois para aplicação do princípio da precaução basta a insegurança científica de qualquer atividade relacionada com o meio ambiente. Para o jurista acima mencionado, há a necessidade de insistirmos na aplicação do principio da precaução, para a preservação do meio ambiente ecologicamente preservado previsto no artigo 225 da Constituição Federal. Reforça o seu ponto de vista esclarecendo que esse princípio está contido na lei de Biossegurança (2005) e na recente lei de Política de Resíduos Sólidos (2010).

8. Participação nas decisões

Este fundamento se declara quando se pensa em democratização da informação, quer na própria empresa ou em relação ao público em geral. É a ação conjunta da coletividade e do Poder Público, conforme Constituição Federal (1988) que declara este princípio em seu art. 225, quando determinou que a atuação conjunta do Poder Público e da coletividade na proteção e preservação do meio ambiente.

“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo para as gerações futuras como direito e dever de todos.”

Observa-se, também, que a importância de uma participação efetiva da sociedade nas decisões em matéria ambiental é demonstrada pela Declaração do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Princípio 10) e a Agenda 21 (item 27, § 1º).

Fiorillo (2010) esclarece que esse princípio é órfão se não tiver a participação de dois outros princípios, quais sejam o da informação e o da educação ambiental. Este autor traduz que este princípio é uma inovação trazida pela Constituição de 1988, mostrando a necessidade da união dos atores e articulação da sociedade. Assim, na prática, trata-se de uma atuação concreta e sincronizada do Poder Público, organizações ambientalistas, sindicatos, indústrias, comércio, agricultura, dentre outros.

Mas, deve-se atentar para a participação do Poder Público nesse princípio, para o que invoca-se Machado (2010). Este autor esclarece que o princípio da obrigatoriedade da intervenção do Poder Público coloca que a administração pública no controle da utilização dos recursos ambientais dos Estados.

Completando a discussão sobre o Princípio da Participação, Sirvinskas (2011) invoca esse princípio como guardião da democracia, pois assegura ao cidadão a possibilidade de participar das políticas públicas ambientais, quer no campo legislativo, administrativo ou processual.

Considerações Finais

Como denominação de operador ambiental entende-se uma grande gama de profissionais que atuam em órgãos públicos ou privados.

Cabe ao operador ambiental estar familiarizado com os fundamentos principiológicos de direito ambiental devido às influências que eles exercem no seu cotidiano. Nesse diapasão, o operador ambiental estaria fazendo uma escolha incorreta se baseasse seu trabalho somente em normas, sem a profundidade que os fundamentos principiológicos de direito ambiental oferecem.

Considerando-se a intima relação dos fundamentos principiológicos de direito ambiental com as normas legais e com a operacionalidade ambiental, como discutido nos itens anteriores, infere-se ser esse conhecimento importante para as atividades do operador ambiental.

 

Referencias bibliográficas
Barbosa, Rogério. Tributação ambiental pode estimular degradação. Consultor Jurídico, 2012. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2012-mar-13/tributacao-ambiental-estimular-degradacao-afirmam-especialistas>. Acesso em: 22 março 2012.
BRASIL.  Lei nº 4771/1965, de 15 de outubro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 28 de outubro de 1965.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4771.htm>  Acesso em: 04 set 2011.
BRASIL.   Lei Nº 5106/1966, de 02 de outubro de 1966. Dispõe sobre os incentivos fiscais concedidos a empreendimentos florestais. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 05 de outubro de 1966.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/1950-1969/L5106.htm>  Acesso em: 03 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 5197/1967, de 03 de janeiro de 1967. Dispõe sobre a proteção à fauna e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 05 de janeiro de 1967.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5197.htm>  Acesso em: 03 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 5868/1972,de 12 de dezembro de 1972. Cria o Sistema Nacional de Cadastro Rural, e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 14 de dezembro de 1972.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5868.htm>  Acesso em: 03 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 5870/1973, de 26 de março de 1973. Acrescenta alínea ao artigo 26 da Lei nº 4.771, de 15 de setembro 1965, que institui o novo Código Florestal. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 28 de março de 1973.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/1970-1979/L5870.htm>  Acesso em: 03 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 6766/1979, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 20 de dezembro de 1979.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6766.htm>  Acesso em: 03 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 6938/1981, DE 31 DE AGOSTO  DE 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo,  de 02 de setembro de 1981.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm>   Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 7653/1988, de 12 de fevereiro de 1988. Altera a redação dos arts. 18, 27, 33 e 34 da Lei nº 5197, de 03 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção à fauna, e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 12 de fevereiro de 1988.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7653.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 7661/1988 DE 16 de maio de 1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 18 de maio de 1988.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7661.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 7754/1989 de 14 de abril de 1989. Estabelece medidas para proteção das florestas existentes nas nascentes dos rios e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 18 de abril de 1989.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7754.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 7802/1989 ,de 11 de julho de 1989. Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo,  de 12 de julho de 1989.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L7802.htm>  Acesso em 02 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 8005/1990 , de 22 de março de 1990. Dispõe sobre a cobrança e a atualização dos créditos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 23/03/1990.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8005.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.   Lei nº 8112/1990, DE 11 de dezembro de 1990.  Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 12 de dezembro de 1990.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8112cons.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 8.666/1993, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 06 de julho de 1994. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8666cons.htm>  Acesso em: 02 set 2011.
BRASIL.  Lei nº 9433/1997, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 9 de janeiro de 1997.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm> Acesso em: 29 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 9605/1998, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 17 de fevereiro de 1998.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm>  Acesso em: 29 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 9795/1999, de 27 de abril de 1999.  Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 28 de abril de 1999.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm>  Acesso em: 29 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 10165/2000, de 27 de dezembro de 2000.  Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo,  28 de dezembro de 2000.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10165.htm>  Acesso em: 26 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 9966/2000, de 28 de abril de 2000. Dispõe sobre a prevenção, o controle e a fiscalização da poluição causada por lançamento de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 29 de abril de 2000.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9966.htm>  Acesso em: 26 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 9984/2000, de 17 de julho de 2000. Dispõe sobre a criação da Agência Nacional de Águas - ANA, entidade federal de implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos e de coordenação do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 18 de julho de 2000.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9984.htm>  Acesso em: 24 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 9985/2000, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 19 de julho de 2000.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm>  Acesso em: 23 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 10410/2002, de 11 de janeiro de 2002. Cria e disciplina a carreira de Especialista em Meio Ambiente.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 14 de janeiro de 2002.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10410.htm>  Acesso em: 21 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 10650/2003, de 16 de abril de 2003. Dispõe sobre o acesso público aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do Sisnama. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 17 de abril de 2003.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2003/L10. 650.htm>  Acesso em: 21 ago 2011
BRASIL.  lei nº 11105/2005, de 24 de março de 2005. Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança – CNBS, reestrutura a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança – CTNBio, dispõe sobre a Política Nacional de Biossegurança – PNB, revoga a Lei no 8.974, de 5 de janeiro de 1995, e a Medida Provisória no 2.191-9, de 23 de agosto de 2001, e os arts. 5o, 6o, 7o, 8o, 9o, 10 e 16 da Lei no 10.814, de 15 de dezembro de 2003, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 28 de março de 2005.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/lei/L11105.htm>  Acesso em: 21 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 11284/2006, de 2 de março de 2006. Dispõe sobre a gestão de florestas públicas para a produção sustentável; institui, na estrutura do Ministério do Meio Ambiente, o Serviço Florestal Brasileiro - SFB; cria o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal - FNDF; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, 5.868, de 12 de dezembro de 1972, 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, 4.771, de 15 de setembro de 1965, 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 6.015, de 31 de dezembro de 1973; e dá outras providências. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 3 de março de 2006.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11284.htm>  Acesso em: 21 ago 2011.
BRASIL.  Lei nº 11428/2006, de 22 de dezembro de 2006. Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 26 de dezembro de 2006.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11428.htm>  Acesso em: 20 ago 2011.
BRASIL.  Lei n°12305, de 2 de agosto de 2010. Institui a política nacional de resíduos sólidos; altera a lei n°9605 de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências.  Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, 3 de agosto de 2010.  Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>  Acesso em: 20 ago.2011
BRITO, Fernando de Azevedo Alves. O princípio da precaução e a sua importância para a tutela do meio ambiente e da saúde. Jus Navigandi, Teresina, ano 16, n. 2788, 18 fev. 2011. Disponível em: <http://jus.com.br/revista/texto/18522>. Acesso em: 16 mar. 2012.
FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
FREITAS, Gilberto Passos de. Ilícito Penal Ambiental e Reparação do Dano. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.
GIL, Antonio. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. 175p.
GUIMARÃES, Mauro. Sustentabilidade e Educação Ambiental. In CUNHA, Sandra Baptista & GUERRA, Antônio José Teixeira (organizadores). A Questão Ambiental: diferentes abordagens. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. p. 81-95.
KESTRING, Silvestre; BRANCHER, Almerindo; SCHWAD, Aparecida B. Metodologia do trabalho acadêmico: orientações para sua elaboração. Blumenau: Acadêmica, 2001. 81p.
KISS, Alexandre & SHELTON, Dinah. Judicial Handbook on Environmental Law. Nairobi: UNEP, 2005.
LOUREIRO, Carlos Frederico B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.
MACHADO, Paulo Afonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. 18. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.
Munhoz, Tânia.  Desenvolvimento sustentável e educação ambiental. Em Aberto, Brasília, v. 10, n. 49, jan./mar. 1991.
QUINTAS, José da Silva. Introdução à Gestão Ambiental Pública. Brasília: IBAMA, 2005.
Richardson, R. J.  Pesquisa social: métodos e técnicas. 1. ed., São Paulo: Atlas, 1985. 285 p.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304p.
Sirvinskas, Luis Paulo.  Manuel de Direito ambiental. 9 ed. São Paulo: Saraiva, 2011.
 

Informações Sobre o Autor

Anselmo Jose Spadotto

Professor universitário, Unesp/Uninove, advogado, pós-doutorado na interface jurídico-ambiental

 
0 Comentários
 

Informações Bibliográficas

 

SPADOTTO, Anselmo Jose. Instrumentalização dos operadores ambientais através dos fundamentos principiológicos do Direito Ambiental. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 107, dez 2012. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12608>. Acesso em nov 2014.

 

O Âmbito Jurídico não se responsabiliza, nem de forma individual, nem de forma solidária, pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).

Filtro de Artigos

 





Informações Bibliográficas

 

SPADOTTO, Anselmo Jose. Instrumentalização dos operadores ambientais através dos fundamentos principiológicos do Direito Ambiental. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 107, dez 2012. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12608>. Acesso em nov 2014.