Nacional

 

07/02/2018 - 17:47 | Fonte: TJES

Justiça nega indenização a família de detento que morreu em presídio do Estado em consequência de doença

 
 

Decisão da 2ª Câmara Cível do TJES diz que o Estado prestou a devida assistência ao preso, enquanto os pais o teriam abandonado, mesmo sabendo da gravidade do seu estado de saúde.

A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Espírito Santo negou provimento ao recurso dos pais de um detento, inconformados com a sentença de primeiro grau que negou o pedido de indenização por danos morais, proposto pelos mesmos contra o Estado do Espírito Santo, em virtude do falecimento de seu filho, enquanto estava custodiado em presídio do Estado.

De acordo com o processo, os autores alegam que o falecimento de seu filho ocorreu em razão da falta de tratamento médico adequado, o que deveria ter sido providenciado pela unidade prisional. “Para tanto, afirmam os autores que o seu filho possuía uma bala alojada em sua coluna cervical, que por falta de exames mais acurados para um possível tratamento, acabou infeccionando e levando ao falecimento do mesmo por parada cardíaca decorrente de choque séptico, face a infecção da escara”.

O Estado do Espírito Santo, em contestação, afirmou que não são verdadeiras as alegações dos autores, pois o falecido foi internado, por dezenas vezes, e examinado por especialistas em neurologia e ortopedia. Alegou, ainda, o Estado, que os médicos que o atenderam concluíram que era inviável realizar a retirada dos projéteis, “alojados em sua coluna passados mais de 07 anos do fato”, afirmou o Estado.

Segundo o voto do Relator, Desembargador Fernando Estevam Bravin Ruy, o detento já estava doente antes de seu encarceramento e que recebeu atendimento médico sempre que precisou: “É fato incontroverso nos autos que antes mesmo de ingressar no sistema prisional, o falecido possuía “balas de revólver” alojadas próximas a sua coluna e, em razão disso, por diversas vezes queixava-se de dor. O “Relatório dos Fatos” confeccionado pelo Diretor da unidade prisional informa que o filho dos recorrentes sempre era levado para atendimento médico no hospital mais próximo (…)”, destaca o Relator.

De acordo com a sentença de primeiro grau, proferida pelo Juiz Thiago Albani Oliveira, da Vara da Fazenda Pública Estadual, Municipal e de Registro Públicos e Meio Ambiente de Linhares, “sem nenhuma prova que comprove a omissão do Estado no atendimento ao falecido, bem como, sendo inequívoco que o falecimento decorreu de complicações de balas alojadas há mais de 07 (sete) anos no corpo do falecido e que não podiam ser removidas, entendo que não estão presentes os requisitos para a responsabilidade civil do Estado, diz a sentença.

O magistrado de primeiro grau também destacou o abandono do detento por sua família: “Por fim, narram todos os relatórios em anexo (fls.38/46) o descaso e abandono da família do preso com o mesmo durante seu tempo custodiado, o que por si só seria suficiente para diminuir em muito o valor do dano moral pretendido, caso fosse procedente a presente demanda”, concluiu.

Para o Relator do recurso no TJES, não houve omissão por falta de estrutura nos presídios. “Ainda, não há indicativo de que foi na prisão que o falecido se adoentou, tampouco que tenha sido a prisão ou a falta de enfermaria no local, os responsáveis pela morte do filho dos demandantes. Sem nexo de causalidade entre o ato do Estado e a morte do filho dos recorrentes, não se pode julgar procedente a presente ação, devendo ser mantida a sentença recorrida”, concluiu o Desembargador Fernando Bravin, sendo acompanhado pelos demais desembargadores da 2ª Câmara Cível do TJES.

Maira Ferreira

 
 
0 Comentários
 


 

Filtro de Notícias

 





Busca nas Notícias