Processual Civil

 

Comentários ao art. 615-a do CPC - Da averbação da certidão de ajuizamento de execução

Frederico Klein
 
 

Resumo: O presente estudo trata do recém introduzido art. 615-A do Código de Processo Civil, no qual está prevista a denominada certidão comprobatória do ajuizamento de execução, documento este que servirá para averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto.

Sumário: 1. Breve introdução. 2. Comentários ao Art. 615-A do Código de Processo Civil. 3. Referências.

1. Breve introdução

A Lei no 11.382, de 6 de dezembro de 2006, proveniente da chamada Reforma da Execução de Títulos Extrajudiciais, introduziu ao Código de Processo Civil o art. 615-A, o qual se mostra uma salutar inovação no sentido de preservar os bens passíveis de satisfazer o crédito do exeqüente, uma vez que visa dar publicidade aos atos de ajuizamento de execuções, viabilizando, assim, a criação de uma proteção legal à alienação ou oneração fraudulenta de bens do executado[1], conforme passaremos a comentar.

2. Comentários ao Art. 615-A do Código de Processo Civil

Art. 615-A. O exeqüente poderá, no ato da distribuição, obter certidão comprobatória do ajuizamento da execução, com identificação das partes e valor da causa, para fins de averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto.

Da análise do caput do referido artigo podemos extrair a essência da inovação legislativa. Trata-se de uma faculdade do credor (“O exeqüente poderá...”) que, no ato da distribuição do processo executivo[2], poderá requerer junto ao distribuidor “certidão comprobatória do ajuizamento da execução”.

A referida certidão, da qual deverá constar a “identificação das partes e valor da causa”, servirá então de instrumento hábil para “averbação no registro de imóveis, registro de veículos ou registro de outros bens sujeitos à penhora ou arresto”.

Desta forma, verifica-se que, valendo-se o credor da faculdade de requerer e proceder a averbação da certidão de ajuizamento, estará o mesmo criando a menciona proteção legal aos bens passíveis de satisfazer seu crédito, uma vez que, efetivada a averbação, efetivar-se-á, também, a publicidade perante terceiros do ajuizamento da execução.

Importante destacar, neste ponto, que a referida averbação não torna inalienáveis os bens do executado, eis que este não está proibido de aliená-los ou onerá-los, bem como nada impede que o executado aliene bens de seu patrimônio, desde que permaneça com outros suficientes à garantia da execução[3]. Todavia, presumir-se-á em fraude à execução a alienação ou oneração efetuada após a averbação, conforme analisaremos adiante.

§ 1º O exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas, no prazo de 10 (dez) dias de sua concretização.

O referido dispositivo trata do prazo para comprovação da averbação perante o juízo da execução. Segundo dispõe o citado parágrafo “o exeqüente deverá comunicar ao juízo as averbações efetivadas, no prazo de 10 (dez) dias de sua concretização”. Assim, tão logo seja registrada a averbação, cabe ao exeqüente proceder sua comunicação dentro de 10 dias, sob pena de impugnação pelo executado e cancelamento pelo juiz competente, até mesmo de ofício[4], sem prejuízo da sanção prevista no § 3º, o qual será analisado mais adiante.

Importante destacar, outrossim, que o referido artigo não menciona prazo para o requerimento e para a averbação da certidão de ajuizamento da execução, mas apenas para os casos de comunicação das averbações efetivadas, as quais deverão ocorrer em 10 dias.

§ 2º Formalizada penhora sobre bens suficientes para cobrir o valor da dívida, será determinado o cancelamento das averbações de que trata este artigo relativas àqueles que não tenham sido penhorados.

O referido parágrafo trata do cancelamento das averbações procedidas em bens que não sejam objeto de ulterior penhora.

Primeiramente, é importante destacar que, conforme prevê o caput do artigo em comento, deverá constar da certidão de ajuizamento o valor da causa. Tal formalidade se explica pelo simples fato de que o valor dos bens objeto das averbações deverá estar de acordo com o valor da execução, repelindo-se excessos, como, por exemplo, averbação em todos os bens do executado, quando apenas um ou alguns deles fossem suficientes para a satisfação do crédito.

Todavia, recaindo as averbações sobre mais de um bem e não sendo algum deles objeto de penhora, deve o juiz cancelar a averbação procedida sobre o excesso.

§ 3º Presume-se em fraude à execução a alienação ou oneração de bens efetuada após a averbação (art. 593).

Conforme mencionado anteriormente, a averbação da certidão de ajuizamento não proíbe o executado de praticar atos de alienação ou oneração de seus bens. Todavia, tal ato gera, como já mencionado, uma proteção legal à eventual alienação ou oneração fraudulenta de bens do executado, uma vez que, como prevê o parágrafo ora comentado, “a alienação ou oneração de bens efetuada após a averbação” presumir-se-á em fraude à execução[5].

Da referida norma, extrai-se que o ato de averbação da certidão de ajuizamento, uma vez que cria a referida proteção legal, enseja uma antecipação da eficácia que, conforme ensina Araken de Assis, somente decorreria da penhora[6], operando-se, nos dizeres de Costa Machado, “a antecipação do momento em que as alienações (ou onerações de bens) se tornam vedadas ao executado” [7].

§ 4º O exeqüente que promover averbação manifestamente indevida indenizará a parte contrária, nos termos do § 2º do art. 18 desta Lei, processando-se o incidente em autos apartados.

O referido dispositivo trata das averbações que se mostrem manifestamente indevidas, invocando o instituto da litigância de má-fé como paradigma para a indenização delas decorrentes.

Assim, agindo o exeqüente de forma abusiva, como, por exemplo, efetivando averbações em bens com valores excessivamente superiores ao valor da causa, ou, ainda, conforme ensina Costa Machado[8], levando à averbação certidão expedida sobre petição inicial de ação condenatória, monitória, cautelar ou qualquer outra que não a inicial de execução[9], responderá o mesmo pelos prejuízos que causar ao executado.

Quanto à indenização, a mesma deverá ser processada pelo executado mediante incidente em autos apartados, devendo a mesma ser arbitrada em conformidade com o § 2º do art. 18 do CPC[10].

§ 5º Os tribunais poderão expedir instruções sobre o cumprimento deste artigo.

Finalmente, o presente parágrafo autoriza os tribunais a expedirem instruções visando o efetivo cumprimento das disposições do referido artigo. Trate-se de autorização salutar, eis que as disposições legais deixam diversas lacunas referentes às formalidades para a realização dos atos previstos.

Desta forma, deve-se atentar para a regulamentação de questões como a “1) o que se deve considerar exatamente “ato da distribuição”; 2) a forma do requerimento da certidão; 3) o momento (ou prazo) da apresentação do requerimento; 4) as custas eventualmente devidas; 5) a forma da “certidão comprobatória do ajuizamento”; 6) o momento (ou prazo) da elaboração da certidão; 7) a retirada ou envio da certidão; 8) a forma eletrônica de todos estes atos; 9) requisitos formais diferenciados do requerimento e da certidão nos casos de registro de imóveis, de veículos e outros bens; 10) o que se deve considerar, particularmente, “averbação manifestamente indevida” e seus desdobramentos procedimentais; 11) as formalidades relacionadas com o cumprimento das averbações nos vários órgãos de registros públicos, etc.”[11], bem como quanto à aplicação do instituto às execuções de título judicial e cumprimentos de sentenças, sendo que neste último caso, conforme ensinam Marinoni e Arenhart [12], “o exeqüente pode requerer a certidão que comprove o requerimento da execução”, certidão esta que, conforme os autores, “não é requerida ao distribuidor, mas sim ao cartório do juízo em que se processa a fase executiva”.

 

Referências
ARENHART, Sérgio Cruz. MARINONI, Luiz Guilherme. Curso de processo civil.  Volume 3. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
ASSIS, Araken de. Manual da execução. 11ª ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Código de Processo Civil interpretado: artigo por artigo, parágrafo por parágrafo. 6ª ed. rev. e atual. Barueri: Manole, 2007.
MONTENEGRO FILHO, Misael. Curso de direito processual civil. Teoria geral dos recursos, recursos em espécie e processo de execução. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.
 
Notas:
[1] MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Código de Processo Civil interpretado: artigo por artigo, parágrafo por parágrafo. 6ª ed. rev. e atual. Barueri: Manole, 2007, p. 799.
[2] A referência “no ato da distribuição” deve ser entendida, por óbvio, como o momento imediatamente posterior a distribuição da demanda.
[3] MONTENEGRO FILHO, Misael. Curso de direito processual civil. Teoria geral dos recursos, recursos em espécie e processo de execução. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2007, p. 401.
[4] MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Ob. cit., p. 801.
[5] Art. 593 do CPC: Considera-se em fraude de execução a alienação ou oneração de bens: I - quando sobre eles pender ação fundada em direito real; II - quando, ao tempo da alienação ou oneração, corria contra o devedor demanda capaz de reduzi-lo à insolvência; III - nos demais casos expressos em lei.
[6] ASSIS, Araken de. Manual da execução. 11ª ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p. 441.
[7] MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Ob. cit., p. 802.
[8] MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Ob. cit., p. 803.
[9] O citado autor ainda menciona a hipótese de o valor da certidão ser superior ao da inicial.
[10] Art. 18, § 2º: O valor da indenização será desde logo fixado pelo juiz, em quantia não superior a vinte por cento sobre o valor da causa, ou liquidado por arbitramento.
[11] MACHADO, Antônio Cláudio da Costa. Ob. cit., p. 804.
[12] ARENHART, Sérgio Cruz. MARINONI, Luiz Guilherme. Curso de processo civil.  Volume 3. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007, p. 262.
 

Informações Sobre o Autor

Frederico Klein

Bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, Advogado em Sapiranga-RS

 
0 Comentários
 

Informações Bibliográficas

 

KLEIN, Frederico. Comentários ao art. 615-a do CPC - Da averbação da certidão de ajuizamento de execução. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 44, ago 2007. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2193>. Acesso em ago 2014.

 

O Âmbito Jurídico não se responsabiliza, nem de forma individual, nem de forma solidária, pelas opiniões, idéias e conceitos emitidos nos textos, por serem de inteira responsabilidade de seu(s) autor(es).

Filtro de Artigos

 





Informações Bibliográficas

 

KLEIN, Frederico. Comentários ao art. 615-a do CPC - Da averbação da certidão de ajuizamento de execução. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 44, ago 2007. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2193>. Acesso em ago 2014.