Faltam três meses, s.m.j.

 

--- Trata-se do verbo bastar. Fico sempre na dúvida ao conjugá-lo. “Bastam alguns minutos e a tarefa estará pronta.” Está correta a construção? Roberta Rangel, Rio de Janeiro/RJ

Construção correta, sim, pois o verbo aí está no plural concordando com um sujeito plural [alguns minutos]. Todo mundo sabe que o verbo concorda com seu sujeito. O problema ocorre, porém, por não nos darmos conta de que o substantivo que vem depois do verbo é seu sujeito (o núcleo), que parece um objeto direto, como no caso do verbo haver impessoal. Por exemplo, em “há perguntas sem resposta”, o substantivo ‘perguntas’ é o objeto direto do verbo haver, que não tem sujeito. Usemos o verbo existir na mesma frase e já teremos ‘perguntas’ como sujeito: “Existem perguntas sem resposta”.

Assim é que na nossa fala cotidiana se tornou comum a ocorrência de frases sem a concordância verbal exigida pela gramática normativa. Isso se dá com verbos que, ao serem usados intransitivamente (sem complemento verbal), costumam vir antes do sujeito:

*Segue em anexo os arquivos solicitados.
*Basta poucos minutos e estarei pronta.
*Falta três meses para o encerramento do curso.
*Apareceu na sua casa cinco sujeitos mal-encarados.
*Surgiu de repente vários brotos.
*Ainda persiste as dúvidas.
*Vejo que permanece no texto algumas falhas.
*Resta menos de dez reais e sobra dólares.
*Ficou só dois.

Parece haver nesses casos uma tendência à impessoalização, justificativa que não os torna aceitáveis na linguagem culta. Observa-se também que o reconhecimento do sujeito plural é ainda menor quando ele não está imediatamente depois do verbo (pode se dar a intercalação de outros termos, em geral um adjunto adverbial).

Com esses verbos antecipados é preciso, pois, muita atenção, principalmente com BASTAR, FALTAR e SEGUIR. Como dito, as construções acima, pela norma-padrão, não são corretas, devendo o verbo ser pluralizado quando o núcleo do sujeito está no plural:

- Seguem em anexo os arquivos solicitados.
- Bastam poucos minutos e estarei pronta.
- Faltam três meses para o encerramento do curso.
- Não faltam razões para apoiar o fechamento dos bingos.
- Apareceram na sua casa cinco sujeitos mal-encarados.
- Ainda persistem as dúvidas.
- Surgiram de repente vários brotos.
- Vejo que permanecem no texto algumas falhas.
- Restam menos de dez reais e sobram dólares.
- Ficaram só dois.

Estando o verbo nessa situação de intransitividade, é bem menos comum o uso da ordem direta, com o sujeito encabeçando a oração: “alguns minutos bastam / três meses faltam para o encerramento / razões não faltam / só dois ficaram” etc., cuja vantagem seria não induzir a nenhum erro gramatical.

S.M.J.
--- O que significa a abreviação s.m.j. que tenho, ultimamente, encontrado quase sempre em pareceres. [“Este é o nosso parecer, s.m.j.”] Significaria “sem mais justificativas”? Grimaldi, Florianópolis/SC

Essas três letras são as iniciais de “salvo melhor juízo”. Juízo no sentido de entendimento, julgamento, decisão. Também podem ser grafadas em maiúsculas: “Este é parecer que submeto a V. Exa., S.M.J.” Quanto ao seu uso e significado, é o seguinte: o parecerista redige aquilo que entende ser o ideal e apropriado; mas, num gesto de elegância, faz essa ressalva visando deixar a pessoa que lhe pediu o parecer à vontade para decidir de maneira contrária à apresentada. 


* Maria Tereza de Queiroz Piacentini - Diretora do Instituto Euclides da Cunha e autora dos livros "Só Vírgula", "Só Palavras Compostas" e "Língua Brasil - Crase, pronomes & curiosidades" - www.linguabrasil.com.br

 
0 Comentários